segunda-feira, 8 de março de 2010

Introdução ao estudos históricos - Turma do 6º ano



Confesso que ensinar História para crianças não é tarefa das mais fáceis, mas com a imensidão de assuntos a serem trabalhados, é possível tornar a aula divertida, empolgante e, sobretudo produtiva.
Iniciei no 6º ano com uma aula sobre a Introdução aos estudos históricos. Esse é o primeiro momento dos alunos com a disciplina. As dúvidas surgem a todo momento.As questões mais freqüentes são: porque devo estudar o que já passou?para que guardar todas estas datas? o que tem a ver com minha vida estes fatos? Perguntas essas bastante comuns para os navegantes de primeira viagem Mas lembrem-se, foi dessa forma que o historiador Marc Bloch escreveu “A apologia da historia ou ofício do historiador”, aproveitando a interrogação de um filho que lhe indaga para que serve a história. Mergulhado nesse viés e no prazer do meu oficio, é que também busquei responder para os alunos do 6º ano do colégio Batista, para que serve a história,como de fato o historiador realiza o seu trabalho.

A primeira atividade proposta consistiu na leitura do poema Carlos Drumond de Andrade, intitulado “Antigamente”, o objetivo é que os alunos pudessem identificar fatos que aconteceram no passado que não ocorrem mais no presente. Ou seja, entender os hábitos do passado.E é assim que mantemos uma constante relação com o passado, com a experiências vividas por outros indivíduos, em tempos e lugares distintos.

Poema: Antigamente, de Carlos Drummond de Andrade.

HAVIA OS QUE tomavam chá em criança, e, ao visitarem família da maior consideração, sabiam cuspir dentro da escarradeira. Se mandavam seus respeitos a alguém, o portador garantia-lhes: “Farei presente.” Outros, ao cruzarem com um sacerdote, tiravam o chapéu, exclamando: “Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo”; ao que o Reverendíssimo correspondia: “Para sempre seja louvado.” E os eruditos, se alguém espirrava – sinal de defluxo – eram impelidos a exortar: “Dominus Tecum.” Embora sem saber da missa a metade, os presunçosos queriam ensinar padre-nosso ao vigário, e com isso punham a mão em cumbuca. Era natural que com eles se perdesse a tramontana. A pessoa cheia de melindres ficava sentida com a desfeita que lhe faziam, quando, por exemplo, insinuavam que seu filho era artioso. Verdade seja que às vezes os meninos eram encapetados; chegavam a pitar escondido, atrás da igreja. As meninas, não: verdadeiros cromos, umas tetéias. ANTIGAMENTE, certos tipos faziam negócios e ficavam a ver navios; outros eram pegados com a boca na botija, contavam tudo tintim por tintim e iam comer o pão que o diabo amassou, lá onde judas perdeu as botas. Uns raros amarravam cachorro com lingüiça. E alguns ouviam cantar o galo, mas não sabiam onde. As famílias faziam sortimento na venda, tinham conta no carniceiro e arrematavam qualquer quitanda que passasse à porta, desde que o moleque do tabuleiro, quase sempre um “cabrito”, não tivesse catinga. Acolhiam com satisfação a visita do cometa, que, andando por ceca e meca, trazia novidades de


Time do Icasa no final da década de 60

baixo, ou seja, da corte do Rio de Janeiro. Ele vinha dar dois dedos de prosa e deixar de presente ao dono da casa um canivete roscofe. As donzelas punham carmim e chegavam à sacada para vê-lo apear do macho faceiro. Infelizmente, alguns eram mais que velhacos: eram grandessíssimos tratantes. (...) MAS TUDO ISSO era antigamente, isto é, outrora.

(ANDRADE, Carlos Drummond de. Antigamente. Citado em: http://www.legal.adv.br/20071007/antigamente/. Acesso em 8 de março de 2010


Após a leitura do poema, solicitei que elaborassem um quadro para mostrar os hábitos do passado e os de hoje, segundo o autor do poema. Objetivo dessa atividade era levar o aluno a perceber que somos parte da história na medida em que nos relacionamos ao longo do tempo, através de nossos hábitos e costumes. Segue o modelo:

Dois tempos

Hábitos do passado

Hábitos do presente


Em seguida dei a eles uma tarefa para a aula seguinte. Pedi que os mesmos fizessem uma entrevista com alguém de sua família, indagando qual a importância do estudo da história. O resultado foi satisfatório e as respostas foram as mais diversas. Entre as respostas mais comuns, destacavam-se as que identificavam a disciplina histórica como fonte de estudos do passado ( aqui o passado entendido como a historia dos nossos ancestrais e aquelas que estudavam a historia dos grande homens, dos grande feitos), a velha historia positivista.

No segundo encontro, depois de avaliada a entrevista, tive a oportunidade de falar sobre a nova visão historiográfica, mostrando que a historia se preocupava hoje não com os grande heróis, mais com o excluídos da história, escravos, índios, negro, mulheres etc.Citei um pequeno texto do historiador Jucieldo Ferreira Alexandre. O texto trata de forma clara e didática da renovação historiográfica que deu-se no seio da disciplina histórica.

“Há não muito tempo, a História era somente uma narrativa factualista, centrada na biografia dos “grandes homens” ou nos relatos de batalhas e em datas que deviam ser obrigatoriamente decoradas. Somente os reis, rainhas, papas, generais, etc., ocupavam os livros com suas façanhas. A “verdade histórica” tratava de uma ínfima parcela humana: na história dos “grandes”, os “pequenos” não falavam ou agiam. (Jucieldo Ferreira).

Em seguida apliquei o seguinte questionário:

a) Explique a frase: “na história dos “grandes”, os “pequenos” não falavam ou agiam”.
b) Com as transformações na disciplina da historia, qual o principal interesse dos historiadores ? Quais historias eles pretendem narrar?

Para encerrar o conteúdo, trabalhei com a turma o conceito de Historia e Memória de vida. A atividade proposta foi que eles procurassem um objeto antigo que fizesse parte da história da família e trouxessem para sala de aula com intuito de apresentar a história aos colegas de classe.
Depois de formado um grande círculo, os alunos iam um a um apresentando seus objetos, tecendo comentários sobre os mesmos e falando da importância dele para família e sua vida. O resultado foi genial, confesso que superou minhas expectativas! Os alunos adoraram a atividade, sobretudo devido a quantidade de informações que adquiririam durante a breve pesquisa. Como a turma é numerosa, resolvi realizar um sorteio das melhores atividades. Seguem as fotos, confira o resultado.








Matheus Alves Bezerra
- Trouxe um pequeno baú com fotos antigas da família















Maria Clara Brito
- Trouxe uma nota de 5 cruzeiros. A nota pertence a seu pai que é numismata.











Lourena Salustiano Amorin (Lourena está escondida atrás do vestido) - Trouxe o vestido de sua vó.O vestido é guardado por sua mãe com muito carinho.















Jacyanne Gino
- Trouxe um monóculo














Luisa Lanny - Trouxe um anel de prata que pertenceu a sua avó.















Frabynne Mendes - Trouxe uma bíblia muio antiga que pertenceu ao seu tio. A bílbia é guardada com muito carinho pela família.

7 comentários:

NanaTru disse...

Belo Trabalho professor,
Há um tempo venho trabalhando com o ensino médio, e agora como mudei de cidade fui lotada com 6º ano, sua experiencia foi inspiradora para mim... Parabéns pelo trabalho...

Mônica disse...

gostei,sou profesora tb de historia e fiz essa introdução com a música de Raul,Eu nasci há dez mil anos atrás e fiz uma atividade da mesma!Achei bastante interessante o seu trabalho!!

Regiane Alves disse...

Adorei as idéias, começei com 6º ano agora, e não sabia o que fazer para dar uma aula interessante para eles, mt obrigado por suas experiências.
Regiane Alves

Fabiana Souza disse...

Parabéns pelo trabalho criativo e por compartilhá-lo. Esse é o segundo ano que vou trabalhar com essa série e não gostaria de trabalhar as mesmas coisas do ano passado, gostei da sua idéia!

Francisca das chagasalves disse...

ADOREI IREI TRABALHAR COM MINHAS TURMAS DE 6º ANO

Maiara Alves disse...

Sou estagiária e pretendo aplicar uma parte de suas atividades, gostei muito da sua criatividade!
Fico tão ocupada com minha pesquisa, que acabo negligenciando a "parte dinâmica" das minhas aulas. Parabéns! Ajudou bastante.

Fabiana Cruz disse...

Perfeito, muito criativo!

Postar um comentário